28/05/2024

LIVRO “REVERBERANDO PEDRAS” DESTACA O VALOR DO REGGAE MARANHENSE COMO FENÔMENO IDENTITÁRIO

Será lançado pelo Professor Doutor Euclides Moreira Neto no próximo dia 19 de abril, às 17 horas e 30 minutos horas, na livraria da AMEI, no São Luís Shopping, o livro “Reverberando “pedras”: o poder simbólico das radiolas de reggae”, integrando o lançamento coletivo de publicações da Editora da Universidade Federal do Maranhão (EDUFMA) com a chancela do selo daquela Instituição de Ensino Superior.

O livro “Reverberando “pedras”: o poder simbólico das radiolas de reggae”, que está sendo lançado agora, é uma versão da Dissertação “O poder simbólico das radiolas de reggae na cultura maranhense”, apresentada no Mestrado Interinstitucional (MINTER), por meio de convênio entre a Universidade Fluminense (UFF), Universidade Federal do Maranhão (UFMA) e Universidade Virtual do Maranhão (UNIVIMA) em Ciências da Comunicação, na área de Comunicação e da Informação, em torno da linha Comunicação e Mediação, no Programa de Pós-Graduação em Comunicação desenvolvido entre os anos de 2008 a 2011 com a orientação do Professor Doutor Afonso de Albuquerque, integrante do quadro docente da UFF.

O projeto de impressão do livro “Reverberando “pedras”: o poder simbólico das radiolas de reggae”, com 310 páginas tem Revisão da Professora Sabina Dias Carneiro; Capa, Edição, Pesquisa de Imagem e Projeto Gráfico de Leonilton Ferreira; Normalização de Maria Cristina Avelar e Rita Maria Oliveira Teixeira; Diagramação de Kerly Ferreira; Ilustração Digital, Renato Ubaldo Moraes; Fotografias de Murilo Santos e Lauro Vasconcelos; Colaboração de Joel Jacinto e Fabinho Araújo; e Produção Executiva é do Instituto Guarnicê.
A impressão do livro que está sendo lançado por Moreira Neto foi custeada com recursos próprios e tem uma tiragem limitada, mas segundo o autor, o conteúdo da publicação será disponibilizado pela plataforma da EDUFMA de maneira totalmente gratuita, portanto, sem ônus para pesquisadores, estudantes, professores e pessoas interessadas em investigar o fenômeno reggae em terras maranhenses.

Sobre a demora para publicação da sua Dissertação em formato de livro impresso o autor explicou em 2012 a referida Dissertação havia sido selecionada por um edital do CCSo (Centro de Ciências Sociais) da UFMA para publicação, que infelizmente não foi cumprido. A demorada era uma forma esperançosa de que a Instituição promotora do edital anunciado viesse cumprir o prometido, o que não ocorreu, por isso, disse Euclides, “tomei a decisão de publicar a referida investigação com recursos próprio antes da minha aposentadoria e considerando que conclui meu projeto doutoral no final do ano passado junto a Universidade da Amazônia (UNAMA)”, cujo objeto de estudo – Os Blocos Tradicionais do Maranhão – deverá ser transformado em livro, a partir da tese defendida.

HIBRIDIZAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO CULTURAL

Para o autor da obra, Euclides Moreira Neto, compreender o que representam as “radiolas de reggae” na cultura maranhense implica o conhecimento de como essa estrutura de equipamento sonoro ganhou um status significativo no meio social do povo ludovicense e maranhense, pois, ao longo de 4 (quatro) décadas, registrou-se uma forte hibridização de valores e ressignificação cultural capazes de criar um modo próprio e peculiar do jeito maranhense de produzir, consumir e absorver essa cultura.
Euclides Moreira ressalta que ao mencionar essa perspectiva de relacionamento, pretende chamar atenção para a transformação que sofreram essas estruturas sonoras no contexto sociocultural maranhense, quando, utilizando-se de uma simples ou sofisticada engrenagem tecnológica, ganharam uma dimensão de “agente econômico e social” capaz de agregar em torno de si pessoas e serviços diversos, como será visto ao longo desta pesquisa.
Segundo ainda Euclides “para compreender melhor esta minha pesquisa, vou direcionar seu objeto principal a uma tentativa de identificar critérios técnicos que possam caracterizar os vários tamanhos de radiolas de reggae no meio sociocultural maranhense, assim como estudarei que representações estão embutidas na própria maneira de relacionamento desses agentes econômicos e sociais, entre si e os demais agentes comunitários”.

IDENTIDADE DIFUSA

O Jornalista, Doutor em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP e professor do Departamento de Comunicação Social da UFMA, José Ferreira Júnior, no Prefácio da publicação afirma que no livro “Reverberando “pedras”: o poder simbólico das radiolas de reggae”, Euclides Barbosa Moreira Neto trabalha a questão da identidade difusa proposta por Stuart Hall, empreendendo um estudo pormenorizado de uma manifestação culturalmente híbrida e mestiça, catalisadora de diversas tradições culturais e simbolizada pelo universo ritualístico “regueiro”, enraizado em território maranhense, mas já configurado para a “exportação”, demandada por outros recantos do país.
Diz ainda o Professor Ferreira Júnior que a pesquisa está ancorada em apreciável referencial teórico, destacando-se, ao longo do texto, dentre outros autores, além de Stuart Hall, Néstor Garcia Canclini, Pierre Bourdieu, Antonio Gramsci, Jesús Martín-Barbero, Clifford Geertz, Homi Bhabha, Marc Augé, Mikhail Bakhtin.

O AUTOR

Euclides Barbosa Moreira Neto nasceu em 13 de abril de 1957, na cidade de Cururupu-MA. É Professor doutor em “Comunicação, Linguagem e Cultura” pelo Programa de Pós-Graduação em “Comunicação, Linguagens e Cultura”, na UNAMA – Universidade da Amazônia, sendo seu objeto de investigação os “Blocos Tradicionais do Maranhão”, manifestação cultural do ciclo carnavalesco. Sua formação educacional e acadêmica ocorreu em Instituições de Ensino Público e atualmente é professor universitário, lotado no Curso de Comunicação Social do Centro de Ciências Sociais da Universidade Federal do Maranhão.

Graduado em Comunicação Social – Habilitação Jornalismo, na UFMA (1976-1979), tem dois cursos de Especialização: Teoria e Prática em Jornalismo, ministrado na UFMA (1981-1982), e Planejamento da Comunicação, na Universidade Federal de Minas Gerais, em convênio com a Universidade Católica de Minas Gerais, Fundação Friedrich Ebert da República Federal da Alemanha, Associação Brasileira de Ensino e Pesquisa da Comunicação – ABPEC com o Centro Internacional de Studios Superiores de Comunicación para a América Lati na – CIESPAL (1982), Mestrado em Comunicação, viabilizado por meio de convênio firmado entre a Universidade Federal Fluminense (UFF), Universidade Federal do Maranhão e Universidade Virtual do Maranhão – (2009-2011); exerceu a função de “Conselheiro” do Conselho Estadual de Cultura do Maranhão (1991- 1994 e 2007-2008); reorganizou e presidiu o Conselho Municipal de Cultura de São Luís (2009-2012.

Ao longo de sua carreira como docente, sempre se envolveu com a área de extensão e cultura, desenvolvendo atividades em todas as áreas de expressões artísticas, principalmente na área audiovisual. A nível administrativo na UFMA, foi Coordenador do Núcleo de Atividades Visuais do Departamento de Assuntos Culturais da Pró-Reitoria de Extensão e Assuntos Estudantis, além de Diretor daquele Departamento (CD4) por 12 anos consecutivos (1996-2008). Até o final de 2023 foi Diretor Geral da Rádio Universidade FM, órgão vinculado à Fundação Sousândrade e a UFMA.

Sua intensa ação desenvolvida na área cultural na capital maranhense o levou a atuar como produtor cultural, ator, crítico de arte e cineasta. Na atividade audiovisual, dirigiu e produziu vários filmes, obtendo diversas premiações em festivais de cinema e vídeo pelo Brasil, destacando-se os filmes Mutações, Colonos clandestinos, Bom Jesus, A greve da meia passagem, Alegre Amargor, Feições, Mamucabo, Periquito sujo, Jardins suspensos, e o vídeo O lavrador de palavras.

No quadriênio 2009-2012, foi Presidente da Fundação Municipal de Cultura, órgão vinculado à estrutura da Prefeitura de São Luís. No ano de 2012 recebeu do Governo do Estado do Maranhão o título de Comendador, considerando os bons serviços prestados à cultura maranhense. Como integrante da comunidade universitária, tem se dedicado a pesquisar a atuação das manifestações culturais “reggae” e “carnaval”, no meio cultural maranhense.

OBRAS LITERÁRIAS DO AUTOR:

· Primórdios do Cinema em São Luiz. São Luís: DAC/UFMA, 1977 (Pesquisa acadêmica);
· O Cinema dos anos 70 no Maranhão. São Luís: DAC/UFMA, 1980 (Pesquisa acadêmica);
· Sistema de Comunicação na Capital Maranhense in Jornalismo no Brasil Contemporâneo. São Paulo: DJE/ECA/USP, 1984, pp. 53-66. (Artigo em Coletânea);
· O Poder Simbólico das Radiolas de Reggae na Cultura Maranhense. Niterói: MINTER UFF/UFMA/UNIVIMA, 2011 (Dissertação de Mestrado);
· Reggae e Poder: radiolas e simbolismo na cultura maranhense; in Crítica de Mídia e a Tessitura da Mediação. São Luís: EDUFMA, 2012, pp. 45-75. (Artigo em Coletânea);
· Quando a Purpurina não Reluz. São Luís: Gráfica Minerva, 2013 (Estudo de Caso/Depoimento);
· Reverberando “Pedras”. São Luís: CCSo/UFMA, 2014 (à publicar);
· Maria por Maria ou A Saga da Besta Fera nos Porões do Cárcere e da Ditadura. São Luís: Editora Engenho/SECTI, 2015 (Entrevista/ Análise);
· O “Vai querer” dos Blocos Tradicionais. São Luís: EDUFMA, 2016 (Estudo de Caso e Análise do INRC dos BTMs);
· Ajuntamento de Memórias. São Luís: EDUFMA, 2016 (Entrevista/ Análise);
· Provocações do Cotidiano. São Luís: EDUFMA, 2016 (Artigos e Crônicas);
· Gardênia: Flor de Lapela. São Luís: EDUFMA, 2016 (Entrevista/Depoimento);
· Guarnecendo Memórias. São Luís: EDUFMA, 2017 (Estudo de Caso/Depoimentos);
. Interações Comunitárias. São Luís: EDUFMA, 2019 (Crônicas);
. Travessia na Pandemia. São Luís: EDUFMA, 2021 (Crônicas);
· Memórias (En)Cantadas. São Luís: EDUFMA, 2021 (Estudo de Caso/Depoimentos);
. Reminiscências do Cinema Maranhense. São Luís: DCSo/UFMA, 2022 (Estudo de Caso/Depoimentos); e
. Reminiscências do Coral São João no Baú Memorial de Nerine Lobão. São Luís: EDUFMA, 2022 (Estudo de Caso/Depoimentos).
. Reverberando “pedras”: o poder simbólico das radiolas de reggae. São Luís: EDUFMA, 2023 (Dissertação de Mestrado).