30/11/2023

Com o Festoada, Prefeitura valoriza cultura popular e inicia o São João de São Luís

A cultura, arquitetura, lendas e mistérios de São Luís foram exaltados na noite de sexta-feira (19), quando 12 cantadores de boi subiram ao palco na Praça Nauro Machado (Praia Grande) para participar do Festival de Toadas de São Luís (Festoada), evento promovido pela Prefeitura e que deu início à programação junina 2023 na capital. A festança foi uma celebração à riqueza cultural material e imaterial da cidade e uma mostra do que vem por aí no São João de São Luís que segue até o mês de junho, com uma vasta programação.

O grande vencedor da noite foi o cantador Josemberg Pinheiro, o Berg da Pindoba, que levou o primeiro lugar geral, recebendo R$ 10.000,00 e também melhor intérprete, com o prêmio de R$ 3.000,00 com a toada “Cidade querida, São Luís do Maranhão” (sotaque de matraca), composta pelo Tenente Geraldino.

Em segundo lugar ficaram Joana Bittencourt (compositora) e Marcos Bittencourt (intérprete), com a toada “Princesa Miscigenada” (sotaque de orquestra), com a premiação de R$ 7.000,00. Na terceira colocação ficou com Gilvan Moura Lima, o Gilvan Mocidade, que levou 4.000,00 com a toada “Azulejos e Vitrais” (sotaque de orquestra). As outras nove toadas também foram premiadas, cada uma com R$ 1.000,00.

Presente ao evento, a vice-prefeita Esmênia Miranda destacou a valorização da cultura popular na gestão do prefeito Eduardo Braide. “O nosso prefeito sempre valoriza a nossa cultura popular, nosso patrimônio e este festival é um exemplo, pois vemos estes artistas que hoje podem subir ao palco e apresentar seus trabalhos para serem aplaudidos por uma plateia que também valoriza as coisas da nossa cidade”, disse a vice-prefeita.

Com o tema “Cidade de São Luís”, as letras das toadas retrataram as ruas centenárias, calçadas com pedras de cantaria, praias, casarões, igrejas, azulejos e lendas que marcam o imaginário coletivo. Os competidores puderam soltar a voz acompanhados por uma banda montada pela Secretaria Municipal de Cultura (Secult) e comandada pelo maestro João Eudes.

“O Festoada é mais que o incentivo a novas produções do nosso São João, é também uma forma de preservar as músicas que representam os sotaques do bumba meu boi. Foi um evento feito com muita qualidade que inicia uma ampla programação que valoriza nossa tradição e nossos artistas locais”, frisou o secretário da Secult, Marco Duailibe.

Apresentações – As composições apresentadas no Festoada foram um passeio musical pelos diversos sotaques do bumba meu boi do Maranhão. Quem foi à praça pôde dançar ao som dos metais do sotaque de orquestra, gingar ao som da percussão do sotaque de matraca, se emocionar com o sotaque de zabumba e se encantar com o sotaque da baixada.

As toadas conquistaram o público que aprovou a iniciativa da Prefeitura de São Luís. “Adoro a cultura da nossa cidade, me encanta o bumba meu boi e por isto mesmo vim lá do bairro Cidade Olímpica para ver as apresentações que foram muito boas”, disse o estudante Rodrigo Ferreira.

Valorização

Para o grande vencedor da noite, o cantador Berg da Pindoba, independente do resultado, o Festoada é um marco importante para a cultura popular de São Luís. “Este prêmio não é só meu, mas de todos os cantadores de bumba meu boi. Para mim, só participar desse evento já foi muito significativo. O nosso prefeito está de parabéns com esta iniciativa de valorizar os artistas da nossa terra”, disse o cantador que, ao subir ao palco, chamou a atenção para a necessidade da inclusão das pessoas autistas, entre as quais o cantador Augusto Neto, que é autista e defendeu a toada “Boizinho da Ilha” (sotaque de orquestra).

A noite de apresentação teve início com José Istenio de Melo, o Zeca Melo que defendeu a toada “São Luís Patrimônio Cultural” (orquestra), seguido por Ruam Duanny Mendes Gomes, com a toada “Sou o Seu Poeta o Seu Cantador Minha Linda São Luís a Ilha do Amor” (matraca), Thatiana Pereira Vieira, que defendeu “Minha Bela Ilha” (orquestra), Gilvan Mocidade, com “Azulejos e Vitrais” (orquestra), Lucivaldo de Jesus Ferreira Campos, com a toada “Lá Vai Minha Turma Pesada” (zabumba), Augusto Neto, que cantou “Boizinho da Ilha” (orquestra), Marcos Bittencourt, com “Princesa Miscigenada” (orquestra), Berg da Pindoba, com “Cidade Querida, São Luís do Maranhão” (matraca), Joelson Braga, com “Azulejando Sonhos” (orquestra), Walasse Godinho, com “Verso e Poesia” (baixada), José de Jesus Figueiredo, o Zé Olhinho, com “São Luís, Nossa Ilha do Amor” (baixada) e Eduardo Gaudêncio Pacheco Filho, com “São Luís; Beleza e Encantos” (orquestra).

“Sempre tive muita vontade de cantar boi. Estou no segmento de música há mais de 30 anos, mas nunca tinha cantado uma toada e isto é desafiante, quando soube do festival, inscrevi minha toada porque era um desejo do coração. Além disto, as mulheres precisam de incentivo porque é uma área em que predomina a presença masculina”, disse Thatiana Vieira, única mulher a competir como cantadora no Festoada.

Antes do resultado ser anunciado, o boi de Nina Rodrigues (sotaque de orquestra) se apresentou para o público. Com um repertório diversificado, índias, vaqueiros, caboclos de fita e outros personagens empolgaram a plateia que dançou ao som da orquestra e de toadas de sucesso do grupo.

Também marcaram presença no evento, os secretários Igor Almeida (Secom), Romário Barros (Semdel) e Henrique Almeida (secretário adjunto Secult).