19/04/2024
Sem categoria

Superfaturamento das despesas com o amistoso entre Brasil e Portugal, em 2008, em Brasília.

Em amistoso, hotel custa quase o dobro

CBF Polícia do DF vê superfaturamento nos gastos de empresa de amigo de Teixeira em jogo do Brasil de 2008

ELVIRA LOBATO
DO RIO
JULIO WIZIACK
DE SÃO PAULO

A Polícia Civil do Distrito Federal tem indícios de superfaturamento em gastos do amistoso entre Brasil e Portugal ocorrido em novembro de 2008 e que inaugurou o estádio de futebol Bezerrão.

A partida custou R$ 9 milhões e foi paga pelo então governador José Roberto Arruda à empresa Ailanto Mar- keting, contratada sem licitação para organizar o jogo.
A Ailanto é de Sandro Rosell, presidente do Barcelona, amigo do presidente da CBF, Ricardo Teixeira, e sócio de sua mulher em uma empresa do Rio de Janeiro.
Na ocasião, os direitos de amistosos da seleção brasileira pertenciam a uma empresa chamada ISEC.
Para o jogo no Bezerrão, ela cedeu os direitos à Bonus Sports Marketing que, por sua vez, repassou para a Ailanto. Tanto a Bonus quanto a Ailanto eram de Rosell.
A Decap (Divisão Especial de Repressão aos Crimes contra a Administração Pública) da Polícia Civil -que conduz a investigação- suspeita de superfaturamento em diárias de hotel e no transporte.

A Ailanto informou ter gastado R$ 141 mil para pagar a hospedagem de 40 integrantes da delegação portuguesa no Hotel Kubitschek, onde uma diária em quarto standard teria custado R$ 484.

Para a polícia, o valor teria sido superfaturado. O preço atual da diária do mesmo quarto para grupos, informado pelo hotel, é R$ 292.
Nas diárias da delegação brasileira, no Hotel Alvorada, a Ailanto disse ter pagado R$ 151,2 mil. A diária declarada do apartamento standard foi de R$ 504 e hoje custa R$ 310.
No transporte aéreo, a Ailanto disse ter gastado R$ 1,2 milhão para fretar o avião que transportou a seleção portuguesa. O comprovante de pagamento, obtido pela Folha, diz que o valor foi R$ 650 mil.

A polícia também vê inconsistência no gasto em passagens para a CBF. O valor declarado (R$ 900 mil) não passaria de R$ 250 mil.
Além da falta de comprovantes das despesas feitas pela Ailanto, a polícia também quer saber por que nem todas as despesas foram pagas.

Vários gastos, como conservação do gramado, contratação de seguranças no estádio e transporte da arbitragem foram pagos pela Federação Brasiliense de Futebol com parte da bilheteria, que rendeu R$ 1,39 milhão. Esses gastos deveriam ter sido arcados pela Ailanto.

APREENSÃO

Em busca de provas, a polícia cumpriu um mandado de busca e apreensão no apartamento de Vanessa Precht, no Rio de Janeiro, há cerca de uma semana. Ela é secretária de Rosell, sócia na Ailanto, e coordenou a organização do amistoso. Seu apartamento constava como sede da empresa, em 2008.
Além da inconsistência dos valores declarados, a polícia também duvida da autenticidade do documento apresentado pela Ailanto que atestou sua capacidade técnica para realizar a partida.

A empresa iniciou suas atividades cinco meses antes da realização do amistoso e entregou ao governo do DF carta da Bonus Sports Marketing, que também pertencia a Rosell, garantindo que a Ailanto já organizara eventos esportivos na Europa.
A abertura do inquérito pela Polícia Civil ocorreu em julho de 2010, após perícia do Tribunal de Contas do DF.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.