20/04/2024

A escolha de permanecer casado

Por Marcia Esteves Agostinho*

Em um momento em que o divórcio deixou de ser tabu, permanecer casado é uma escolha tão importante quanto se separar. Então, por que tantas pessoas permanecem casadas décadas a fio? Certamente elas acreditam que vale a pena.

Essa expressão “valer a pena” indica que nenhum casamento é um paraíso o tempo todo. Há muitos estranhamentos e dificuldades no cotidiano de um casal, principalmente quando há filhos envolvidos. Porém, as eventuais “penas” são compensadas por inúmeras vantagens da vida a dois.

No passado, quando as cidades eram poucas e pequenas e o normal era viver no campo, a vida dependia muito da família. Imaginem um casal com 8, 9, 10 filhos, morando com avós, tios e primos em uma única casa.

Era em família que se produzia o que comer e o que vestir; que se cuidava das crianças e dos doentes; que se consolava e se divertia. Naquele ambiente, romper um casamento perturbaria toda uma estrutura de subsistência, com danos materiais e emocionais.

Se marido e mulher decidissem se separar, um deles teria que sair de casa. Mas naquele contexto, havia muito poucas opções para onde uma pessoa sozinha pudesse ir. Ele ou ela, talvez, pudessem se agregar a outra família.  Contudo, eles seriam apenas isso: agregados.

As coisas mudaram quando as cidades cresceram e passaram a atrair todo tipo de indivíduos, oferecendo oportunidades de ganhar a vida longe da família. Nos centros urbanos, o trabalho se torna emprego e o vínculo predominante deixa de ser pessoal para se tornar profissional. Afastado dos parentes, o indivíduo ganha “colegas de trabalho” – relações que vêm e que vão.

Os moradores das grandes cidades também se casam. Não mais por tradição ou necessidade material, mas por questões afetivas. É então que casar por amor se torna o grande ideal! Mas será que o amor resiste à rotina doméstica, cujos problemas marido e mulher têm que resolver sozinhos?

Ao trocarem laços duradouros de parentesco por laços frágeis de amizade, os indivíduos se acostumam com pessoas entrando e saindo de suas vidas. Assim, parece natural que os cônjuges também venham e vão. Não surpreende que casamentos nos grandes centros durem menos.

Mesmo lá, porém, a maioria dos casais escolhe permanecer unidos. Eles não se iludem com a fantasia do amor romântico e investem diariamente numa relação real. Embora cheia de desafios, a vida a dois com base no compromisso de cuidado e apoio mútuos é o que faz pessoas maduras optarem por permanecer casadas.

Marcia Esteves Agostinho é autora do livro “Por que casamos” (Editora Almedina, 2023). Disponível na Amazon: https://a.co/d/euNxQ7h