22/02/2024
Sem categoria

Brasil perde para o México e adia sonho do ouro no futebol para 2016‎

Depois de uma campanha de algumas irregularidades, mas vitórias por três gols em todas as partidas antes da decisão, o Brasil entrou em campo no Estádio de Wembley neste sábado com pinta de favorito para enfim conquistar o inédito ouro olímpico no futebol, mas foi derrotado por 2 a 1 pelo México e ficou com a prata. Os mexicanos fizeram 1 a 0 com menos de um minuto de jogo, e ampliaram na metade do segundo tempo, com dois gols de Oribe Peralta. Hulk ainda diminuiu pouco antes do apito final, mas a seleção brasileira não conseguiu o empate. Com a derrota, o Brasil iguala o desempenho nos Jogos de Los Angeles, em 1984, e Seul, em 1988, quando também foi vice-campeão. Foi a quinta medalha do futebol masculino do país, que ainda foi bronze em Atlanta-1996 e Pequim-2008. Já o México obteve o ouro logo na primeira vez em que sobe ao pódio. Ao final do confronto, restou apenas a lamentação e as lágrimas dos atletas e da comissão técnica, como as do meia Lucas, que chorou copiosamente pela derrota. Mano Menezes optou por repetir o time titular da vitória por 3 a 0 sobre a Coreia do Sul nas semifinais, na última quarta-feira. Assim, o esquema tático foi o 4-4-2, e não o 4-3-3 das primeiras partidas nos Jogos. Hulk foi mantido no banco de reservas, enquanto Alex Sandro e Marcelo se revezaram como lateral-esquerdo e meia-esquerda. No entanto, com o 1 a 0 contra no placar, o treinador voltou atrás e voltou para o esquema original, colocando Hulk no lugar de Alex Sandro com pouco mais de 30 minutos no primeiro tempo. Na seleção mexicana, o técnico Luis Fernando Tena não pôde contar com a grande estrela da equipe, o meia-atacante Giovani dos Santos, com uma lesão na coxa direita. Héctor Herrera foi escolhido como substituto. Nem bem os jogadores estavam posicionados em campo e os torcedores estavam sentados em seus lugares em Wembley, e o México fez 1 a 0. Rafael se enrolou na direita e deu uma passe arriscado para o meio. Sandro não conseguiu afastar e a bola sobrou para Oribe Peralta, que chutou firme no canto direito, sem chances para Gabriel. Apesar do baque inicial, a seleção brasileira não demorou muito tempo para esboçar uma reação. Aos 12 minutos, Neymar cruzou da direita em cobrança de falta e Thiago Silva cabeceou por cima. Sete minutos depois, Leandro Damião dominou e rolou para Oscar, que bateu fraco e facilitou a defesa do goleiro Corona. Os mexicanos se fecharam na defesa e saíam em poucos e infrutíferos contra-ataques. A pressão do Brasil aumentou nos últimos dez minutos antes do intervalo, e o gol de empate não aconteceu por pouco. Aos 38 minutos, Hulk soltou uma bomba de muito longe e deu trabalho a Corona, que espalmou. Damião ainda tentou completar para a rede na sobra, mas ficou apenas com o escanteio. Logo depois, aos 40, o camisa 9 fez o pivô para Marcelo, que mandou à direita da meta. Nos acréscimos, aos 46, Neymar, muito marcado durante todo o jogo, foi acionado na esquerda e carregou para o meio até arriscar de fora. Mais uma vez a bola passou perto da trave direita e foi para fora. A equipe de Mano Menezes voltou do vestiário exercendo grande pressão, mas errava nas finalizações. Logo aos dois minutos, Neymar encheu o pé quase da intermediária e encobriu a meta. Apesar de ter mais a bola, a seleção esbarrava na forte marcação adversária e no próprio nervosismo. Aos 13, Neymar ficou livre com a sobra quase dentro da pequena área, pegou muito embaixo na bola e isolou. O nervosismo era tanto que até um dos jogadores mais seguros, o zagueiro Thiago Silva, cometeu uma falha grave, deixando Fabián livre. Depois de uma dividida, o mexicano acertou o travessão em uma linda meia-bicicleta, aos 17 minutos. A resposta brasileira foi rápida, acontecendo aos 20. Rafael cruzou rasteiro da direita, Damião dominou já ajeitando para o tiro, mas foi foi interceptado por Mier, que mandou para escanteio, afastando o perigo. A defesa do Brasil não era muito exigida, mas, nas poucas vezes que o adversário levava perigo, ela errava. E foi em mais uma falha que o México fez 2 a 0. Após cobrança de falta da direita, Peralta apareceu por trás da zaga e cabeceou para a rede, aos 29 minutos. A partir daí, a seleção se lançou para o ataque de forma desesperada, com muita vontade, mas pouca organização. Mano colocou Alexandre Pato e Lucas em campo para dar mais força ofensiva à equipe. Aos 37, Pato puxou contra-ataque e adiantou para Neymar, mas tocou com muita força, e Corona chegou antes para afastar com um chutão. Na base do ‘abafa’, o Brasil ainda diminuiu a vantagem aus 45, com um gol que não serviu para igualar o placar, mas premiou o melhor jogador da equipe de Mano em campo. Hulk recebeu dentro da área e tocou entre as pernas do goleiro. Dois minutos depois, ainda houve chance para o empate, mas a bola foi para fora. O próprio Hulk levantou da direita e Oscar, livre, cabeceou à esquerda, adiando o sonho do ouro. Ficha técnica:. Brasil: Gabriel; Rafael (Lucas), Thiago Silva, Juan e Marcelo; Rômulo, Sandro (Alexandre Pato), Alex Sandro (Hulk) e Oscar; Neymar e Leandro Damião. Técnico: Mano Menezes. México: Corona; Israel Jiménez (Vidrio), Mier, Reyes e Chávez; Aquino (Ponce), Salcido, Enríquez e Herrera; Fabián e Peralta (Raul Jiménez). Técnico: Luis Fernando Tena. Árbitro: Mark Clattenburg (Grã-Bretanha), auxiliado por seus compatriotas Steve Child e Simon Beck. Gols: Oribe Peralta (2) (México); Hulk (Brasil). Cartões amarelos: Reyes, Israel Jiménez e Vidrio (México); Marcelo e Leandro Damião (Brasil). Estádio de Wembley, em Londres.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.