22/02/2024
Sem categoria

Desfiles dos Blocos Tradicionais na sexta-feira gorda, numa festa de brilho e cores


O carnavalesco Darlan Oliveria, de Chapeleiro Marluco, no Bloco Os Trapalhões 
GUSTAVO SAMPAIO E LUCAS VIEIRA/NA MIRA
Abertura ocorreu nessa sexta (5), na Passarela do Samba, no Anel Viário.
Alegria. Paz. União. Diversão. Estas foram algumas das palavras que marcaram o primeiro dia da programação dos desfiles na Passarela do Samba,no Anel Viário, em São Luís, com o Carnaval 2016. A abertura dessa sexta-feira (5) foi marcada pela diversidade de ritmos dos blocos tradicionais do grupo B – eles concorrem ao prêmio de R$ 15 mil reais. A competição foi disputada com muita garra e brilho – luz esta que ganhou a passarela.
Abrindo a programação, homenageando Zé Pereira Godão, o Bloco Os Baratas, com a missão de empolgar os brincantes logo na abertura. A folia tradicional do bairro residente, Madre Deus, ajudou e a missão foi cumprida com êxito. Em seu ano de estreia, o bloco mostrou que a diversão era de raiz – e todo o público estava convidado para a festa.
Em seguida, foi a vez da apresentação do bloco Os Tradicionais do Ritmo, com o enredo Na Minha Tradição, as Duas Faces do Fofão. As dezenas de componentes fizeram valer a atribuição de alegria relacionada ao fofão – mesmo atrasados e sem terem feito a passagem de som (foram penalizados devido ao atraso), o bloco fez da mistura do vermelho, preto e amarelo um verdadeiro painel de cores para a multidão que assistia.
Nos 30 minutos seguintes, o ritmo diminuía – ou melhor, nem existia. O bloco Renovação do Ritmo foi desclassificado devido ao atraso – brincantes culparam o trânsito de acesso ao local da Passarela do Samba. Já a Gaviões do Ritmo foi desclassificada por não comparecimento. O vácuo de dois blocos deu, ainda, mais espaço para a entrada triunfal do Dragões da Liberdade – que trouxe à passarela o tema “Do Continente Africano à Celebração da Vida”, misturando tons e levando a dose certa de ritmo de volta ao circuito.
Da África para o bom humor do bloco Os Vigaristas. Com o enredo Sou Vigia, Sou Forte Diante da Dor, Sou Vigarista, o Pierrô, o bloco mostrou que no bairro do Cohatrac a folia é regra – e, na Passarela do Samba, a lei não seria diferente.
Comemorando os 25 anos de história, o Vinagreira Show colocou a Camboa no circuito do Carnaval 2016 – e, com composição de Boto Negro do Maranhão, embalou a passarela com muito verde.
O oitavo bloco mostrava que o brilho do Carnaval atingia os quatro cantos da Região Metropolitana de São Luís. Direto de São José de Ribamar, com o enredoSonho da Peble no Carnaval de Farrapos, Os Inacreditáveis evidenciavam o amarelo em suas roupas – e, também, o objetivo de figurar entre “as grandes” da noite.
Se no começo “faltou ritmo”, o bloco Companhia do Ritmo chegava com ele. Na Magia da Folia Ouro e Prata da Companhia, o enredo, trazia a Madre Deus de volta a avenida, deixando um rastro de beleza por onde passavam, coloridas por amarelo, branco e prata.
Superpoderes? Apenas um – vibrar. Este foi o poder de guerra do bloco Os Vingadores no Carnaval deste ano. Com o tema Os Vingadores na Corte da Vampiromania, o bloco, com quase 50 anos de história, mostrou o quanto vibrante pode ser, abusando de várias cores, em composição escrita por Giovane Frazão, Dinho Pinheiro e Dudu Lima.
Despontando com uma das melhores fantasias da noite – recheadas de dragões e um verde marcante, o bloco Os Curingas apresentava a história de uma lenda. São Jorge – O Cavaleiro da Capadócia fez com que o bloco soubesse aproveitar o tema e, como todo Carnaval, brincar com isso. Entre os destaques, o verde vibrante escolhido pelo bloco.
Direto da Vila Embratel, o bloco Alegria do Ritmo mostrou que existe coerência em unir amarelo, preto, branco, vermelho e lilás na mesma linha. Em sintonia, os brincantes fizeram valer a máxima do enredo: Explode o Brilho do meu Carnaval.
.
Vale tudo para ser o bloco campeão. Inclusive, enaltecer a capital maranhense. O bloco Príncipe da Meia Noite fez de tudo um pouco, com a composição de Preto Jorge. Além do destaque na parte sonora, eles souberam utilizar o enredo O Príncipe Mascarado nos Bailes do Carnaval ao seu favor.
Na reta final dos desfiles, o antepenúltimo bloco a conquistar o público foi Os Guerreiros do Ritmo, com o enredo Edmar, a Guerreira de Pé no Chão, direto do bairro da Cidade Olímpica.
O 15º bloco a desfilar na Passarela do Samba teria deixado Alice curiosa. Com o tema Chapeleiro Maluco no País do Carnaval, o bloco Os Trapalhões abraçou a fantasia e usou os detalhes do enredo em todos os brincantes, das cores às maquiagens.
Ao fim, o bloco Os Guardiões teve a árdua missão de encerrar a primeira noite em grande estilo. E encerraram. Sou Filho do Vento, Sou Guardião, o tema, mostrou que eles estavam na briga pelo primeiro lugar – o que tornava a missão da escolha ainda mais difícil.

Os Guardiões: Sou Filho do Vento, Sou Guardião
Neste sábado (6), a partir das 18h, desfilam os blocos tradicionais do grupo A. Em 2015, foram vencedores da disputa entre os bloco do grupo B: Os Fenomenais (1º lugar), Fênix (2º lugar), Os Gladiadores (3º lugar), Os Coringas (4º lugar) e Companhia do Ritmo (5º lugar). A premiação total é de R$ 15.000 para o 1º lugar; R$ 10.000 para o 2º; R$ 5.000 ao 3º lugar; R$ 3.000 para o 4º lugar; e R$ 1.500 ao 5º lugar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.