22/02/2024
Sem categoria

Entrevista com o cineasta Cícero Filho, do filme ‘Flor de Abril’

CINEMA NORDESTINO SIM, SENHOR! As dificuldades e o prazer em produzir filmes no nordeste brasileiro. Durante o 35 ° Festival Guarnicê de Cinema, o público terá a oportunidade de ver a sessão especial do filme “Flor de Abril” do jornalista e cineasta Cícero Filho. O Longa narra a história da jovem Teresa, moça do interior que vem para a cidade grande tentar uma nova vida. Em um bate–papo descontraído, Cícero Filho falou sobre as dificuldades da produção cinematográfica no Nordeste. DAC: Cícero Filho, quatro anos para a produção do Flor de abril. A que se deveu a demora para finalizar esta produção? Não há faculdades de cinema no Maranhão ou Piauí para qualificar pessoas para trabalharem na área. Fica difícil trabalhar assim. Durante a produção do filme eu exerci várias funções para suprir nossas necessidades. DAC: Além da dificuldade técnica, quais outras barreiras precisaram ser superadas durante a produção do Flor de Abril? A falta de verba para finalizar o filme. Concorremos em editais municipais estaduais. Fomos contemplados com o edital estadual de incentivo à cultura. Ma a verba adquirida com o edital não é suficiente para a realização do filme, então gravamos parte do filme e apresentamos as imagens para patrocinadores. DAC: Quanto custou o filme? Foi orçado em 800 mil reais. Enxugamos os custos e fechamos a produção em 300 mil reais. DAC: O filme ficou em exibição no Cine System. Você encontrou algum tipo de resistência em distribuir o filme? A resistência maior vem do próprio público que prefere ver produções estrangeiras a valorizar as produções nacionais e principalmente as regionais como é caso do nosso trabalho, caracteristicamente nordestino. DAC: O “Flor de Abril” é um trabalho completamente diferente do seu último sucesso, o “Ai, que vida”, que era mais cômico e até mesmo improvisado. Quais seriam as outras diferenças que você apontaria? As pessoas do nordeste gostam mais de rir, então as comédias costumam ter uma aceitação muito maior. Devido a isso talvez o “Ai, que Vida” tenha repercutido tanto junto ao público.Mas o “Flor de Abril” que é um drama,toca mais as pessoas, leva a uma reflexão. DAC: O filme “Ai que Vida” tornou-se muito popular devido a pirataria. Quais as medidas tomadas para evitar que o “Flor de Abril” caia na rede? A cautela que tomamos é o controle de senhas, o filme é exibido em HD, controlamos as salas para que ninguém use câmeras. Cícero Filho produziu e dirigiu a comédia “Ai que vida”, que foi o filme mais visto no Brasil em 2010/2011, alcançando mais de seis milhões espectadores. >

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.