27/02/2024
Sem categoria

Godão agride Joel Jacinto chamando-o de “jornalista de merda”


por John Cutrim
– 19 de setembro de 2011

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais de São Luís divulgou hoje nota repúdio contra o membro do grupo Boi Barrica e Bicho Terra José Pereira Godão, que no sábado (17), no Ceprama, agrediu o jornalista Joel Jacinto, repórter do Jornal Pequeno e da Rádio Educadora.

A agressão ocorreu durante a divulgação do resultado da final dos vencedores do concurso da etapa classificatória maranhense para escolha do samba-enredo da Beija-Flor de Nilópolis, que tem como tema os 400 anos de São Luís. A grande final do concurso que elegerá o samba-enredo da escola carioca ocorrerá no próximo dia 13 de outubro na quadra da agremiação carnavalesca no Rio de Janeiro.

Godão mando Joel se “f….” e chamou-lhe de jornalista de “merda”
Tudo ocorreu quando Joel, que estava cobrindo o evento pelo Jornal Pequeno e a Rádio Educadora, quis saber o motivo da demora da divulgação do resultado, uma vez que já passava da meia noite e o público já querendo ir embora.

Ao fazer a indagação a Godão, que tem ligações íntimas com a família Sarney e o secretário de Estado de Cultura Luís Bulcão, o mesmo disse que não interessava a ele o resultado e nem a que hora seria divulgado. Descontrolado, Godão mando Joel se “f….” A partir daí travou-se uma discussão.

Exaltado, Godão foi ao palco, pegou o microfone e começou a proferir uma série de agressões verbais e palavrões em direção a Joel, entre os quais chamando o jornalista de “merda”. A atitude foi reprovada com uma sonora vaia do público. Foi necessário a intervenção da radialista “boeira” Helena Leite para que acalmasse a confusão.

Mais um fato que envergonha a nossa cultura. Abaixo segue nota de repúdio emitida Sindicato dos Jornalistas Profissionais de São Luís se pronunciando sobre mais esse lamentável episódio.

Nota de repúdio

“O Sindicato dos Jornalistas Profissionais de São Luís vem a público repudiar, com veemência, a absurda agressão perpetrada pelo Sr. José Pereira Godão contra o companheiro Joel Jacinto, repórter do Jornal Pequeno e da Rádio Educadora do Maranhão, durante a divulgação do resultado final dos vencedores da etapa classificatória maranhense para escolha do samba-enredo da Escola de Samba Beija-Flor de Nilópolis, que tem como tema os 400 anos de São Luís.

Ao se utilizar de um microfone para proferir impropérios e ofensas gratuitas contra um jornalista, o Sr. José Pereira Godão, em primeiro lugar foi covarde, já que o ofendido não dispunha de meio equivalente para se defender. Além disso, desrespeitou o público presente, que estava ali para se divertir e incentivar os autores de sua preferência, e não para ouvir palavrões, alguns impublicáveis.

Joel Jacinto é um jornalista exemplar que, no exercício profissional, tem dado inequívoca contribuição para o engrandecimento dos nossos valores culturais. Ao execrá-lo, o senhor Godão ofende, por extensão, a categoria, a qual Joel Jacinto representa tão dignamente; também a cultura do Maranhão, da qual ele, Godão, se diz porta-voz, mas age como se fosse dono; e em última instância fere de morte o Estado Democrático de Direito, que tem entre seus pilares a liberdade de expressão, assentada na soberana atuação da imprensa”.

A PEDIDO, NOSSOS ESCLARECIMENTOS:
25 DE SETEMBRO DE 2011

Confesso que não queria mais voltar a tocar neste assunto, dos ocorridos naquela noite de sábado no Ceprama, 17 e madrugada de domingo (18).
Como pessoas civilizadas, de um lado um jornalista que só pediu um resultado de uma seletiva de concurso de samba enredo. Ao mesmo tempo em que esclareço e aceitei as desculpas do José Pereira Godão, que nos ligou na manhã do domingo (18), volto a repetir – pedindo desculpas.
Do outro lado, o Godão um dos ícones da nossa cultura, fortalecedor dos nossos verdadeiros valores culturais, incentivador de novos talentos, de quem não se fala um ato que abone a sua conduta. E sempre mantivemos boas relações de amizade.
Com certeza o episódio daquela noite poderia ter acabado em nosso pedido ao Godão, e lógico na breve discussão travada entre nós. Afirmo com todas as letras, em nenhum momento tentei prejudicar a apresentação do grupo Bicho Terra. Logo nós simpatizantes e divulgador dos produtos maranhenses, e sempre das criações da Companhia Barrica, seja com o Barrica, Bicho e Natalina da Paixão.
Na própria solicitação do Godão de desculpas, ele concordou com o nosso encaminhamento que o resultado da seletiva deveria ter sido dado quando da apresentação da bateria da Beija-Flor.
Outro esclarecimento pela intimidade com o Godão, o chamei para que fosse divulgado o resultado, mas nunca com pretensão desestabilizar o espetáculo com tão grande aceitação popular, a apresentação da Banda do Bicho Terra.
Naquela noite em que estava acompanhado com a nossa família (irmãos, sobrinhos e cunhados) e alguns amigos, já estava deixando o Ceprama, quando do portão de saída escutamos a voz do Godão a dizer nosso nome e com insultos.
Foi quando escutei as vaiais, e muita gente vinda em nossa direção com palavras de apoio e solidariedade. E esclareço a nossa tranqüilidade era notável, sem raiva e tentativa de rebater qualquer agressão.
Confirmo que somos passivos de erros e acertos. E vida que se segue, o que passou, passou.
E viva a nossa cultura popular. Viva os nossos sambistas. E viva a liberdade de expressão!
Pacificar sempre!
Equilíbrio físico, mental e espiritual. Busque isto sempre, e percebera um novo mundo. Acredite e não desista nunca!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.