14/04/2024
Sem categoria

Meu Pensamento ao Senhor Joãozinho Trinta (*)

Hoje, 30 de junho, lendo o caderno Alternativo do Jornal Estado do Maranhão, uma matéria na página 5 com o carnavalesco Joãozinho Trinta, trouxe-me até aqui: Manchete da matéria: CARNAVALESCO PROJETA DESFILE PARA FESTEJAR 400 ANOS DA ILHA.
Vamos examinar, será que estamos precisando de acontecimentos frívolos ou algo concreto para nossos 400 anos? Não gosto de coisas feitas e desfeitas. Ele diz: “quero fazer um grande espetáculo, uma mistura de parada cívica com carnaval e cortejo”.
Ora Sr. Joãozinho, há sim, antes que seja tarde, seja bem vindo, parabéns pelo restabelecimento da sua saúde aqui no Maranhão. Nosso querido estado, meu irmão. Mas moço aqui está precisando de algo concreto, não de plumas e fantasias, pensei que o senhor com sua experiência de vida já havia se despido de pensamentos ilusórios, você diz que vai convidar várias autoridades do meio político e artístico do Brasil, que vai montar uma gigante passarela na Avenida Litorânea para receber tais convidados.
Joãozinho, não estamos precisando (eu penso assim), de cenas apoteóticas, queremos é que essas “autoridades” políticas, veja o povo nordestino, maranhense com mais carinho, mais atenção, e não servir o povo em banquetes com bandejas de pratas para ser visto de camarotes há 5 metros de altura.
Talvez você ainda esteja com o mesmo pensamento quando saiu daqui há mais de 50 anos, pensando que isso é novidade para nós. Nós, apesar de tanto abandono, evoluímos, não como o Senhor que se diz o mago, que transformou o carnaval carioca, esse evento passageiro que você propaga tanto.
Nossa evolução cultural vem acontecendo lentamente, graças à gente humilde, pessoas de comunidades que jamais deixaram de bater suas caixas, seus tambores, seus pandeirões enfeitados com chitão, que hoje você diz que ama tanto. Esse mesmo povo sustentou e vem sustentando a cultura popular que serve de inspiração para muitos.
Joãozinho, penso que seria tão bonito da sua parte, se no auge do seu “sucesso”, tivesse, assim como vai convidar autoridades para esse evento, ter convidado os nossos artistas populares para mostrar ao povo carioca, nosso tambor de crioula, bumba meu boi, cacuriá, cantores, atores deste torrão. Sei que a maturidade traz nossos pensamentos para o funil do tempo, vamos aprendendo a peneirar tais pensamentos, então, Joãozinho, o tempo é presente, apesar dos seus 76 anos, você é jovem, espírito não envelhecem, se limpam.
Vamos pensar em algo concreto, um centro cultural, uma praça florida, um teatro popular. Algo que as futuras gerações possam ver ler e sentir o nome, não a lembrança dele.

Mariano Costa (Ator e empresário)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.