28/05/2024

Saiba como foi o primeiro debate presidencial de 2022

Debate foi realizado com a participação de todos os candidatos

O primeiro debate entre os candidatos à Presidência da República, realizado na noite deste domingo (28), pelo pool Folha de S. Paulo, UOL, TV Band e TV Cultura, contou com a participação de todos os candidatos com representação no Congresso Nacional: Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Jair Bolsonaro (PL), Ciro Gomes (PDT), Felipe D’Ávila (Novo) Simone Tebet (MDB) e Soraya Thronicke (UB). As presenças de Lula e Bolsonaro só foram confirmadas poucos dias antes e o suspense se de fato estariam no mesmo estúdio se prolongou até uma hora antes de começar o evento com a chegada de Bolsonaro.

Confira os destaques do debate:

Bolsonaro ataca jornalista

O presidente Jair Bolsonaro (PL) atacou a jornalista Vera Magalhães ao responder questionamento sobre a vacinação no Brasil durante o debate na Band entre os presidenciáveis.

A jornalista Vera Magalhães citou que a desinformação sobre vacinas teria sido difundida pelo presidente Jair Bolsonaro ao questionar sobre o tema. O primeiro a responder a pergunta foi o presidenciável Ciro Gomes (PDT). 

Logo em seguida, Bolsonaro disse: “Vera, não podia esperar alguma coisa de você. Você dorme pensando em mim, tem alguma paixão por mim. Você não pode tomar partido no debate como esse. Fazer acusações mentirosas a meu respeito. Você é uma vergonha para o jornalismo brasileiro”. A jornalista não teve a oportunidade de se defender.

Candidatas se destacam e defendem mulheres

As candidatas Simone Tebet (MDB) e Soraya Thronicke (UB) se destacaram ao defender as mulheres durante o debate na Band na noite deste domingo.

O ponto alto foi quando Tebet questionou o presidente Jair Bolsonaro por qual motivo ele tem tanta raiva das mulheres e ao citar fala de Bolsonaro em defesa do assassino de uma mulher em 1998. 

Soraya citou, ao responder o candidato Felipe D’Ávila, que as mulheres jamais teriam acesso à política sem o fundo eleitoral (verba pública destinada aos partidos políticos para o financiamento de campanhas eleitorais).

Lula mais tímido

O ex-presidente Lula ficou em uma posição mais tímida e quieta, tendo que responder sobre corrupção, governo Dilma e suas gestões passadas. Diante disso, um dos pontos em que ele conseguiu se sobressair foi quando conseguiu associar suas políticas sociais em gestões passadas com a população.

Ao responder sobre política econômica e citar melhoria no país em gestões passadas do PT, Lula disse que uma parcela da população foi quem mais notou. Soraya Thronicke tinha citado que o país que ele fala só existe nos comerciais. “A senhora disse que não viu esse país que eu falei acontecer, o seu motorista viu, o seu jardineiro viu, a sua empregada doméstica viu. Você pode perguntar para sua empregada doméstica que ela viu que esse país melhorou, ela viu que podia almoçar e jantar todo santo dia, que ela podia tomar café, ela viu que o filho dela poderia entrar em uma universidade”.

Ciro ficou mais em cima do muro

Já o candidato Ciro Gomes (PDT) tentou se destacar como uma opção mais divergente entre os líderes de intenções de votos, mas sua participação ficou em cima do muro. Apesar de alguns ataques ao ex-presidente Lula e ao presidente Jair Bolsonaro, Ciro manteve uma postura mais equilibrada. 

Felipe D’Ávila sem ponto forte

Primeira vez candidato à presidência, Felipe D’Ávila (Novo) não teve pontos fortes. O candidato tentou se mostrar coerente com proposta liberais, como a favor de privatizações e usou o governador e candidato à reeleição Romeu Zema (Novo) como alicerce para dizer que seu partido conseguiria administrar de “uma forma diferente”. 

Brigas nos bastidores

O coordenador da campanha digital do Partido dos Trabalhadores (PT), André Janones, e o ex-ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles discutiram no lounge da Band neste domingo (28) durante o primeiro debate presidencial de 2022. A confusão teria começando quando Lula citou queda no desmatamento em seu governo e Salles contestou aos gritos. Após a briga, Janones ainda discurtiu com Nikolas Ferreira e Sérgio Camargo.

Por Bruno Torquato, Amanda Carvalho – O TEMPO 

 

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.