22/02/2024
Sem categoria

ANTÔNIO AMÉRICO DESABAFA E AFIRMA QUE NÃO FOI O CULPADO PELA NÃO LIBERAÇÃO DO VIVA NOTA

Presidente da FMF informou que problemas jurídicos causaram o bloqueio do incentivo.
09/11/2012 00h00
O presidente da Federação Maranhense de Futebol (FMF), Antônio Américo, afirmou que ele não é o responsável direto pela não liberação da verba do programa do Governo do Estado de incentivo ao futebol maranhense Viva Nota. O dirigente informou que os R$ 2 milhões do programa não foram entregues aos clubes porque a Procuradoria do Estado alegou que tanto a FMF quanto o instituto criado pela entidade não estão aptos a receber dinheiro público por ter débitos fiscais.
O dirigente explicou que, como a FMF tem cerca de R$ 1 milhão e meio de dívida em processos na Justiça Federal com o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), segundo ele contraídos nas gestões anteriores, não tem condições de vender ingressos dos jogos das competições do futebol maranhense para o governo, como está previsto no texto do Viva Nota, ele teve a ideia de criar o instituto para receber o dinheiro e repassar aos clubes, o que também foi rechaçado pelo corpo jurídico do Executivo estadual. “Só a FMF pode vender os ingressos para o governo. Como a entidade contraiu essa dívida, ela fica impedida legalmente de receber esse incentivo. Então, após ser procurado pelo clubes, resolvi criar o instituto para canalizar esse repasse, o que também não foi possível, já que a Procuradoria do Estado não aceitou. No meu entender, o instituto, apesar de ser vinculado à FMF, poderia, sim, receber o dinheiro”, disse.
Antônio Américo garantiu que todos os times filiados à Associação Maranhense de Clubes de Futebol (Amaclube) assinaram ata de reunião concordando com a intervenção da FMF. “Com exceção do Sampaio, do Maranhão e do Bacabal, os demais clubes que disputam o Campeonato Maranhense da primeira divisão me procuraram para assumir o controle do Viva Nota com medo que a Amaclube não conseguisse, pois já estávamos em Abril. Nunca tive interesse em controlar o repasse, muito pelo contrário. Quero é que os times tomem conta do valor, pois a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) não recomenda que federações recebam dinheiro público”, contou.
O dirigente também revelou que foi procurado pelo presidente da Amaclube e do Sampaio Corrêa, Sérgio Frota, e disse que não existe desavença entre os dois. “Ele me telefonou ontem me convidando para participar da homenagem que o clube recebeu na Assembleia Legislativa e pediu união para bem do futebol maranhense. E respondi que nunca tive nada contra ele ou qualquer afiliado da entidade e apesar de ter ficado aborrecido com as criticas que sofri por parte dele na impressa estava disposto a deixar tudo de lado e continuarmos amigos”, ressaltou.
O presidente da FMF também rebateu as críticas de que não ajuda os times locais e que não consegue patrocínio para as competições no estado. “As pessoas tem que entender que assumi uma entidade com mais de R$ 1 milhão em débitos, mas com todas as dificuldades temos ajudado todos os times, porque só este mês os times devem mais de R$ 200 mil à FMF e não cobrei ninguém até o momento, pois se o fizesse muitos não teriam nem como jogar o restante da Copa União. A entidade tem emprestado dinheiro para muitos clubes pagarem despesas com inscrição de jogadores, deslocamento e taxa de arbitragem. Para 2013, já conseguimos um patrocínio com uma empresa multinacional de R$ 100 mil para pagar despesas do Estadual, que seriam custeadas pelos clubes”, disse.
Para a temporada 2013, Antônio Américo pretende apresentar cinco projetos para arrecadar patrocínio do governo do estado. “Apesar de a CBF não recomendar que federações recebam recursos públicos, pretendo apresentar projetos que são utilizados em outros estados, como por exemplo o de patrocínio via Secretaria de Comunicação, como é feito no Pará. Desta forma, poderemos evitar transtornos como os que aconteceram com o Viva Nota”, completou.

Dirigente diz que vinda do Vasco ajudará

O presidente da Federação Maranhense de Futebol (FMF), Antônio Américo, afirmou que a entidade que dirige e o Governo do Estado do Maranhão não vão bancar a pré-temporada que o Clube de Regatas Vasco da Gama fará de 3 a 15 de janeiro de 2013 em São Luís. O dirigente afirmou que todas as despesas com hospedagem, alimentação e transporte do clube carioca serão pagos por patrocinadores e que a entidade que ele dirige ainda será beneficiada com parte da renda de um amistoso que o Vasco fará com o Sampaio Corrêa, no dia 13 de janeiro, no Castelão, e dos treinos, que também terão ingressos vendidos. “A FMF vai ganhar, o Sampaio e os outros clubes também. Apenas 30% da renda dessa partida e dos treinos vai ficar com o Vasco. Os outros 70% serão para beneficiar o nosso futebol”, disse Américo.
O dirigente disse ainda que a vinda do Vasco para São Luís só foi possível graças a empresas provadas. “Assim que fui sondado para abrigar o Vasco, passei a missão de conseguir patrocínio para uma empresa de eventos, que viabilizou patrocínio para todas as despesas do clube em São Luís, porque do contrário recusaria a vinda dele, pois a FMF não tem como pagar despesas de pré-temporada de um clube grande”, afirmou.
O dirigente afirmou que não poderia fazer o mesmo por nenhum clube maranhense, porque os empresários não têm interesse de patrocinar o futebol local. “Contratei uma empresa de marketing para fazer um projeto para vender o Campeonato Maranhense e ofereci em várias empresas. A resposta foi a mesma em todos os lugares que procuramos: ‘não podemos patrocinar porque a competição não é transmitida pela TV. Agora, com o Vasco foi diferente, pois rapidamente conseguimos patrocínio para todas as despesas, e ainda tem gente querendo entrar no projeto”.
Para Antônio Américo, a vinda do Vasco será importante para conseguir recursos para pagar despesas do Campeonato Maranhense de 2013.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.