20/04/2024

Festival de Bois de Zabumba adiado de 15 para o dia 29 de julho causa apreensão entre admiradores

Por essa ninguém esperava, pois já havia até convite rodando nas redes sociais, além de matérias divulgando nos meios de comunicação, mas na última hora veio a decepção para muitos admiradores da promoção alusiva ao 29º Festival de Bumba-meu-boi de Zabumba, que aconteceria da noite desse sábado (15) para o amanhecer deste domingo (16), na Av. Newton Belo, no bairro Monte Castelo, adiado para o dia 29, quase no fim do mês de julho. Exibia uma extensa programação, entre as estrelas mais cintilantes dos bois de zabumba, dentre os conjuntos radicados em São Luís e os vindos do Interior, onde houve a origem do sotaque: Cacuriá  Rabo de  Saia (20h); Cacuriá Assacana (20h30); Boi Unidos Venceremos (21h); Boi Brilho de São João (Liberdade 2-Mestre Basílio), 21h40; Boi Unidos Pela Fé (22h30); Boi da Ivar Saldanha (23h20); Boi da Areinha (12h10); Boi Capricho de Oliveira (1h); Boi de Carutapera (1h40); Boi do Novo Capricho (2h30); Boi Anjos do Meu Sonho (3h10); Boi do Bairro de Fátima (4h); Boi de Leonardo/Liberdade (4h50); Boi de Guimarães (5h50); e Boi da Fé em Deus (6h4).

ADIAMENTO PERIGOSO

Pelo que ficou flagrante para observadores, dentre admiradores do festival e dos brincantes do sotaque, estaria, no sábado, conforme o programado, mais forte o leque de atrações, com a confirmação do Boi de Guimarães (onde o sotaque de zabumba teve o seu berço), inclusive, o Boi Unidos Venceremos (São Cristóvão), do saudoso Antônio Fausto, seu fundador e cantador, falecido no 1º de maio, vítima de acidente de trânsito, garantido pela cantoria do seu neto Douglas. Consoante eles, agora ficará mais difícil contar com os bois de Guimarães e de Carutapera, que não teriam como esperar, na capital, sem haver chamadas para eles, até o dia 29 de julho. “Todo cuidado é pouco com   os bois de zabumba, que já reclamaram muito, neste São João, da falta de mais apresentações nos arraiais oficiais”! – alertaram na Praia Grande, na tarde de anteontem, onde se realizava o Encontro de Miolos de Bois do Maranhão, ou seja, de brincantes que dançam dentro da armação do boi.

TRABALHO COLETIVO   

Visando a ter os bons sucessos desejados, para eles ainda, produtores culturais, com conhecimento de causa, “Deveriam companheiros de outras bois de zabumba, para garantirem os recursos, dentre outras providências, caminharem com Basílio Durans, que criou o festival, em 1994, porém que não pode ser cogitado de dono, já pertencente o feito à Cultura Popular Maranhense!” – ressaltaram e continuaram na crítica construtiva, no sentido do Festival de Bumba-Bois de Zabumba não sofrer solução de continuidade. “Com duas semanas de retardamento, centenas de turistas, que estão circulando em São Luís, já estarão em suas terras, quando o encontro dos bois acontecer, sendo uma perda considerável para o acontecimento que chegou perto de três décadas, sem interrupção”!

FALHAS NA ORGANIZAÇÃO

Apontaram falhas gritantes na organização, como no ano passado, com um banheiro químico para centenas de participantes, na Av. Newton Belo, e também carecendo de um patrulhamento da PM mais constante, pois quase no amanhecer houve uma briga generalizada em que por muita sorte não foi registrado o pior, além de vítimas com pancadas e escoriações. “Não estamos aqui para botar panos quentes na direção, além de sugerir o melhor para o Festival de Bois de Zabumba, no Monte Castelo, certamente concebido para fortalecer os grupos, na promoção importante, não enfraquecê-los mais sem resoluções para a sua melhoria e com cenas violentas de socos e pontapés, entre brincantes desafetos ”! – assinalaram, para concluírem, apreensivos: “Adiaram o que já estava certo para acontecer no dia quinze de julho para vinte e nove de julho, duas semanas após, pois  o festival de zabumba sempre foi realizado no meio deste  mês, em tempo de férias, inclusive, e  era exitoso, e se não houver mais união entre os promotores, organização  mais aprimorada, a tendência é piorar, a cada ano, lamentavelmente!”

Com informações do Jornal Pequeno, dia 16 de julho. pág. 15