25/02/2024
Sem categoria

PORTELA ANUNCIA SINOPSE DO ENREDO PARA 2012, ESCOLA DE MADUREIRA VAI INVADIR A RELIOGISIDADE DA BAHIA

A Portela divulgou, nesta terça-feira, a sinopse do enredo “E o povo na rua cantando… É feito uma reza, um ritual”, de Paulo Menezes e Marquinhos de Oswaldo Cruz.

Confira a sinopse:

Pequena Prece ao Senhor do Bonfim

Salve, meu Pai Oxalá, Meu Senhor do Bonfim!

Senhor do branco, pai da luz.

Força divina do amor…

Epa Babá!

Meu pai, “… sou filha de Angola, de Ketu e Nagô

Não sou de brincadeira

Canto pelos sete cantos

Não temo quebrantos

Porque eu sou guerreira

Dentro do samba eu nasci,

Me criei, me converti

E ninguém vai tombar a minha bandeira.”

E venho a ti pedir sua benção e proteção, e pedir, também, licença aos meus padroeiros, para conduzir a minha águia altaneira, o meu altar do samba, até a sua presença.

Sabe, meu senhor, sempre fomos muito festeiros, muito devotos, e gostaria muito que o meu povo conhecesse o seu povo e a sua maneira de festejar, de reverenciar a sua crença, a sua fé.

Por muitas vezes cantei a Bahia, agora chegou a hora de mostrá-la.

“… essa Bahia gostosa

Cheia de encanto e feitiço

Que deixa a gente dengosa

E a gente nem dá por isso”

Bahia que tem o dom de encantar.

Terra em que o branco e o negro, o sagrado e o profano, o afro e o barroco se misturam e se tornam uma coisa só. No mar da Bahia, tudo e todos se misturam.

Bahia de vários corações… sagrados corações.

Terra de cores, cheiros e temperos.

Terra de festas e de fé, de santos e orixás.

Terra de samba.

Terra de amor e devoção.

A Bahia é festa o ano todo e o povo vai pra rua manifestar a sua fé.

“… E esse canto bonito que vem da alvorada.”

Alvoradas, missas, procissões, afinal “quem tem fé vai a pé”.

Novenas, flores, fitas, águas e perfumes.

Cortejos, fiéis e cânticos.

Velas, orações e adoração.

Gente que dança!

Tambores e atabaques, samba de roda, batucadas.

Comidas, pois festa sem comida não é na Bahia.

Gente que canta!

Canta pro santo, canta pro orixá. Canta para os dois ao mesmo tempo. É o sincretismo se fazendo presente.

Louva a alegria, a liberdade, a esperança.

Gente que pula!

Pula como pipoca, como cordeiro, em blocos e trios. Transforma as ruas em um mar branco, de paz.

Mar branco, mar vermelho, mar azul. Bahia é feita de mar, é feita de água.

Gente que louva!

Beatos, filhos-de-santo, padres, mães-de-santo, fiéis e iaôs, todos juntos num mesmo ideal. Deuses e mortais, passado e presente.

Altares e terreiros, tudo é mistério. As divindades tão próximas e tão íntimas. O milagre da cumplicidade com o sagrado.

A luz dos orixás refletida nos olhares.

“… Tem um mistério que bate no coração

Força de uma canção que tem o dom de encantar.”

É dia de festa na Bahia. Não importa como começou. Não importa se um dia tudo vai terminar, pois o riso e o gesto já estão gravados na eternidade, no céu e no mar.

Bem aventurados todos aqueles que puderem ver a Bahia em festa.

E neste momento, meu Senhor, vejo que tudo aquilo que move o baiano: a fé, a alegria, a esperança, a crença e a devoção, move também o meu povo, o portelense.

Um povo que nunca desiste, vive a sorrir e a festejar.

E que essa Bahia que é de Todos os Santos, seja a partir de então dos santos da Portela também, que eles passem a fazer parte do seu panteão, estendendo sobre eles o seu divino manto e nos conduza a um desfile triunfal sobre o altar do carnaval.

Bem aventurados aqueles que puderem ver a Portela em festa.

Afinal,

Sou Clara,

Sou Portela,

Sou Guerreiros,

Sou Amor!

Salve o manto azul e branco.

Amém!

Paulo Menezes

Enredo: Paulo Menezes e Marquinhos de Oswaldo Cruz

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.