22/02/2024

Exposição em Belo Horizonte relembra trajetória da cantora Clara Nunes

Bem-vindos ao espetáculo chamado Clara Nunes. A menina que aos 14 anos ja era tecelã no interior de Minas, começou a ser notada como cantora em 1960, no concurso “Voz de Ouro”, na capital mineira.

Dona Édel conheceu Clara nesta época, trabalhando na fábrica de tecidos, e acabou emprestando um vestido dela para jovem cantora chegar elegante à disputa. E ainda deu lições de etiqueta.

“Ensinei ela a chegar no palco, fazer postura, que eu dava aula de manequim, ter uma certa postura frente ao microfone”, relembra a professora de etiqueta social e amiga de Clara Nunes, Édel Piroli.

A exposição em Belo Horizonte mostra o início da carreira de Clara Nunes, com os discos de bolero e o primeiro de samba, que selou de vez a relação da cantora com o estilo musical.

“Temos uma sala dedicada ao amor da Clara pelo Carnaval, nós temos todos os figurinos que ela usou nos desfiles da Portela, inclusive figurinos que ela usou como puxadora na avenida”, comenta a curadora Janaína Melo.

De beleza clássica, Clara foi musa dos taxistas, da guarda da cidade, das revistas que ditavam moda.

Exposição em Belo Horizonte relembra a trajetória da cantora Clara Nunes. — Foto: Jornal Nacional/Reprodução

O historiador José Bouzas viu toda a exuberância quando ela foi eleita rainha do Carnaval de Belo Horizonte.

“Quando eu vi aquela figura chegando com o Rei Momo, pra mim, ela era uma rainha. E até isso ficou na minha cabeça, uma rainha”, conta o historiador.

Clara teve programa de TV, foi atração no palco do Chacrinha, ganhou três discos de ouro – a primeira mulher a vender mais de 400 mil cópias, com o disco “Alvorecer”.

De Chico Buarque, veio um presente. A composição “Morena de Angola”, que nos anos de 1980, estourou.

O chocalho, que Clara Nunes canta na música, que usa na canela, e o vestido que ela usa, também estão na exposição – que reúne 50 figurinos da artista.

Clara adorava rendas, contas e guias. Uma turista que veio de Porto Alegre queria ver isso tudo de perto.

“A Clara sempre me fascinou pela voz dela e pela interpretação como cantora e intérprete que ela foi”, afirma a jornalista Bruna Schlisting.

FONTE: https://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2023/12/28/exposicao-em-belo-horizonte-relembra-trajetoria-da-cantora-clara-nunes.ghtml